Cavaleiro sem agência da Caixa Econômica Federal

  • Categoria: Jaboatão

Agência da CEF em Cavaleiro, Jaboatão dos Guararapes, será fechada em 06 de abril

Imagem: Internet

Paulo Rocha – Os habitantes de Cavaleiro, distrito de Jaboatão dos Guararapes, foram surpreendidos no início do mês com a informação de que a agência da Caixa Econômica Federal do bairro será fechada neste dia 06 de abril. A informação, sem justificativas, apenas foi afixada na porta da agência, alertando os clientes de que será transferida para o Fórum de Jaboatão, em Prazeres, distante quase 20 quilômetros.
A medida é incompreensível, uma vez que Cavaleiro é um dos bairros mais populosos de Jaboatão, com mais de 100 mil habitantes e  um centro comercial de fazer inveja a muitos municípios. A partir de abril, clentes que precisarem ir à agência vão depender do transporte público, complicando mais ainda a vida, em especial a de pessoas com algum tipo de deficiência.
O assunto foi discutido na Câmara de Vereadores de Jaboatão, por iniciativa do vereador Irmão Fabinho, que declarou ter protocolado documento solicitando explicações da Caixa, e a criação de uma comissão para tentar evitar o fechamento da agência. O presidente da Casa Vidal de Negreiros, vereador Adeíldo da Igreja, declarou que a Câmara deverá se mobilizar a fim de verificar junto à direção do banco o que pode ser feito para manter a agência aberta. “Vamos nos unir com a prefeitura para procurar o banco e estudar uma forma de não prejudicar a população”, disse.
O fechamento de agências bancárias por todo o país, incluindo Pernambuco, faz parte de um movimento nacional que força as pessoas a ustilizarem aplicativos dos bancos. Entende-se tais ações quando efetivadas por bancos particulares, mas quando se trata de bancos públicos, como a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, a medida vai contra o interesse da população, visto que são bancos que deveriam ter atuação social, não visando apenas o lucro.

Privatização – A hipótese mais ventilada para a avalanche de fechamento de agências da CEF e do BB seria a preparação de terreno para a privatização destes dois bancos públicos. Como a iniciativa privada não é boba, exige que tais bancos tenham o mínimo de funcionários e de agências, pois o grosso de suas movimentações são eletrônicas e não interessa a eles o “social”.  O que fortalece a hipótese de privatização, além do fechamento de agências, é a sequência de programas de “demissão voluntária”,  o último deles anunciado em 22 de fevereiro pela CEF, com o objetivo de cortar cerca de 3 mil funcionários, enquanto avança o processo que possibilita a terceirização de funcionários em várias áreas.
Vale lembrar que os ativos do Banco do Brasil e da Caixa, segundo a revista Exame, especializada em Economia, chegam a quase 3 trilhões de reais.